Fluxo de caixa Destaque

O Fluxo de caixa.

Esse é com certeza um dos relatórios mais importantes da gestão de uma empresa, independente do seu tamanho, segmento ou tributação.

Administrar uma empresa sem um fluxo de caixa projetado, por exemplo, compara-se a dirigir um carro em uma autoestrada, às vezes em alta velocidade, com olhos vendados. Com certeza essa imagem é considerada uma loucura. Mas por que tantos empresários dirigem uma empresa sem um fluxo de caixa?

Depois dessa provocação quero conversar com você um pouco mais sobre essa importante ferramenta – O Fluxo de Caixa.

 

Mas afinal, o que é Fluxo de Caixa?

O Fluxo de Caixa, refere-se ao fluxo de capital disponível no caixa da empresa. Ele pode referenciar para o passado, considerado como fluxo de caixa realizado, ou para o futuro, considerando como fluxo de caixa projetado.

O Fluxo de Caixa considera o montante de receitas e despesas durante um período definido, algumas vezes pode estar ligado a um projeto específico.

O Fluxo de Caixa Projetado é um instrumento de gestão financeira que projeta para períodos futuros todas as entradas e as saídas de recursos financeiros da empresa, indicando como será o saldo de caixa para o período projetado.

O Fluxo de Caixa é um poderoso instrumento na tomada de decisões. Através do mesmo, é possível verificar a saúde financeira do negócio e obter respostas claras sobre o resultado dos investimentos no estágio atual da empresa e muni o empresário de informações para definir em que momento a empresa terá disponibilidade de caixa para aquisição de mercadorias e novas despesas. Muitas empresas que passam a adotar essa ferramenta na gestão informam que houve uma redução significativa nos pagamentos de juros e taxas de antecipações, e consequentemente, uma redução também na ansiedade dos gestores em relação a saúde do negócio.

Por outro lado, um Fluxo de Caixa mal feito traz vários problemas para uma empresa, e um dos entraves é o vencimento das obrigações a pagar em um momento em que o caixa da empresa está desfalcado. Quando isso ocorre, a empresa se vê, na maioria das vezes, obrigada a contrair empréstimos para não ficar em débito com os fornecedores e prejudicar transações futuras.

Como fazer e utilizar o Fluxo de Caixa?

Fazer um fluxo de caixa perfeito é mais simples do que parece.

Quando a sua empresa possui um software de gestão integrado e que disponibilize de forma eficaz essa ferramenta, basta apenas selecionar o relatório, teoricamente o mesmo será gerado automaticamente (conheça o myheaven – A solução mais completa em Gestão Empresarial)

Agora, se você não possui um software integrado de gestão, basta um pouco de dedicação e organização.

Saídas

A primeira etapa a ser feita é separar as saídas em: fornecedores, despesas fixas, e outras saídas.

Fornecedores: Todos os gastos com seus fornecedores;

Despesas Fixas: são os gastos administrativos que acontecem com uma periodicidade e não tem relação direta com a atividade fim do seu negócio. Exemplos: telefone, correio, internet, papelaria, aluguel, etc;

Outras despesas: amortização de empréstimos, pagamentos de tributos e investimentos.

Entradas

Nas entradas você deve especificar o que recebe com suas vendas e/ou prestação de serviços. Recomenda-se que esse preenchimento seja feito diariamente.

No caso de um Fluxo de Caixa projetado, você deve provisionar o valor de entradas para o período previsto.

Saldo Inicial

O Saldo Inicial deve-se considerar no Fluxo de Caixa o saldo inicial do período, e o mesmo deve ser acrescentado as entradas e saídas, gerando assim o resultado do período.

Resultado do período

Para verificar o resultado do período (dia, semana, mês ou ano) basta realizar a soma de todas as entradas e diminuir as saídas.

Após um determinado período, verifique se as entradas estão maiores que as saídas, isso significa que naquele período você teve mais entradas que saídas. Isso não significa que você teve lucro, mas ao menos significa que você está pagando menos recebendo.

Caso você perceba que está com despesas maiores do que receitas, significa que está pagando mais que recebendo e precisa olhar rapidamente a sua política de prazos de recebimentos e pagamentos e o seu capital de giro. Sinal amarelo acesso e decisões precisam serem tomadas.

Algumas vezes o problema pode estar na sua Formação de Preço, mas esse assunto estudaremos mais à frente.

Sucesso e até o próximo artigo!

 

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.